Biblioteca e eleições

Com o fim da Copa do Mundo de Futebol, a grande vedete dos noticiários brasileiros passará a ser as eleições de Outubro no Brasil onde serão disputados os cargos de presidente, governador, senador, deputados estadual e federal. A biblioteca, mais uma vez, terá a oportunidade de ofertar a seus usuários um “maná” de conteúdo informativo.

O primeiro registro de eleição no Brasil data de 1532, ela ocorreu na vila de São Vicente, sede da capitania de mesmo nome, e foi convocada por seu donatário, Martim Afonso de Souza, visando escolher o conselho administrativo da vila. Durante todo o período colonial, as eleições no Brasil tiveram caráter local ou municipal seguindo a tradição ibérica, eram votantes os chamados “homens bons”, expressão utilizada para definir pessoas qualificadas pela linhagem familiar, renda, propriedade e participação na burocracia civil e militar da época. Do período colonial até os dias de hoje tivemos muitos avanços em relação ao processo eleitoral brasileiro, atualmente, após 482 anos de registro da primeira eleição brasileira o país novamente, se vê diante da oportunidade de escolher seus representantes por meio do voto. Diante desse contexto, a biblioteca de forma neutra pode exercer seu papel social na formação de cidadãos conscientes da importância de seu voto para seu futuro e do país.

A história de vida de cada pessoa interfere na relação de cada sujeito no desejo de acessar, buscar, utilizar e apropriar-se de novas informações. Os bibliotecários, enquanto mediadores de informação podem gerar atividades que permitam a seus usuários compreenderem a lógica de organização e disputa de uma eleição, isso pode ser feito através de dispositivos que auxiliam e favorecem a pesquisa, com o próprio acervo que representa o conhecimento humano registrado e por meio dos espaços de comunicação na web. Temos o privilégio, de viver numa época onde o conhecimento humano é registrado, inclusive, a história das eleições e o contexto da disputa eleitoral de 2014. A informação será insumo essencial para a tomada de decisão do eleitor, mas é necessário não esquecer que o mais importante não é a quantidade de informação que a biblioteca irá disponibilizar, e sim a sua qualidade. Esta qualidade significa informações íntegras, atualizadas e precisas. A política do país interfere diretamente na história de cada cidadão, com base nesse dogma o bibliotecário deve estar consciente deste fazer, consciente de que é um agente de mudanças.

Fonte: Vértice Books | Cátia Cristina Souza

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*