Brasileiro é responsável por organizar acervo de 70 anos de história da ONU

Antônio Carlos da Silva é responsável pelo acervo das  Nações Unidas que tem 68 mil vídeos e mais de 800 mil fotos.

Clique no vídeo para assistir (Foto: Reprodução/TV Globo)

Clique no vídeo para assistir (Foto: Reprodução/TV Globo)

Aos 70 anos de idade, completados neste ano, a Organização das Nações Unidas dispõe de um impressionante acervo de registros históricos, e o encarregado pela catalogação e manutenção é um brasileiro.

Milhares de refugiados buscando um lugar na Europa. Só que isso foi na década de 1940, depois da Segunda Guerra Mundial. Observadores acompanhando as tensões entre israelenses e árabes. Foi na década de 1960.

A história evolui, mas nem sempre muda. A ONU foi criada há 70 anos para tentar mudar e as tentativas foram todas documentadas, em um arquivo que conta a história do mundo depois da Segunda Grande Guerra.

O acervo das Nações Unidas tem 68 mil vídeos e mais de 800 mil fotos e está sob a responsabilidade de um brasileiro: Antônio Carlos da Silva. “É um privilégio estar trabalhando na ONU e lidando com esse material tão rico”, diz Antônio Carlos, que é o chefe do arquivo de audiovisual da ONU em Nova York.

Entre os vídeos está o registro de 1948 em que Eleanor Roosevelt leu a Declaração Universal dos Direitos Humanos: “Essa declaração pode muito bem se tornar a carta magna de todos os homens, em todos os lugares”.

Nas missões pelo mundo desde então, a ONU viu de perto o quanto dessa declaração continua só no papel. Era para os seres humanos já terem os mesmo direitos, qualquer que fosse o sexo e a cor. Era para todo ser humano ter direito à dignidade e à vida. Forças da própria ONU já perderam esse direito.

O acervo registra a passagem de alguns dos líderes mais importantes do mundo pela tribuna das Nações Unidas. Para discursar e para discordar.

A ONU tem um centro de operações onde, hoje, todas as reuniões são gravadas e o material antigo é digitalizado, fica preservado e disponível para pesquisas.

Agora, mais de 90% de todo o acervo da ONU ainda está nas fitas originais. Vai levar, pelo menos, cinco anos para digitalizar tudo isso. O problema é que muitas dessas fitas são velhas, estão se deteriorando e já começa a faltar equipamento para rodar esse material e passar para os computadores. É uma corrida contra o tempo para conservar o passado.

E precisa de apoio financeiro para isso. Um dinheiro que muitas vezes falta. Antônio segue vasculhando o arquivo, tentando deixar para os outros o que ele vê. “Quando eu abro um arquivo que nunca foi aberto e vejo uma coisa única, com valor histórico muito rico, muito alto, eu fico emocionado”, revela Antônio Carlos.

Fonte: TV Globo | Fabio Turci

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , , , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*