Dia do Bibliotecário: Lei determina que até 2020 todas as escolas do Brasil tenham um profissional em suas bibliotecas

“A escassez de profissionais no mercado é preocupante, uma vez que o bibliotecário tem papel fundamental no processo de formação intelectual dos estudantes, ao atuar como mediador entre a informação e o usuário”, afirma Mariza Martins Coelho, presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia – 6ª Região (CRB-6). Ela se refere à Lei Federal 12.244/10, que estabelece que, até 2020, todas as escolas do Brasil tenham uma biblioteca sob os cuidados de um bibliotecário, que comemora o seu dia em 12 de março.

De acordo com o Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB), hoje existem cerca de 19 mil bibliotecários no país (aproximadamente 2.300 apenas em Minas Gerais e no Espírito Santo). Para que a demanda seja atendida, esse número precisaria chegar a quase 180 mil. “O fato de milhares de estudantes terem recebido nota zero na última redação do Enem deixa clara a importância de valorizar o hábito da leitura e o uso frequente das bibliotecas”, acrescenta Mariza.

Área de atuação

O Bibliotecário é um profissional que, entre outras funções, classifica, cataloga, relaciona assuntos e fornece tratamento técnico a diversos tipos de acervo. Além disso, ele é responsável por planejar e executar ações capazes de tornar o conhecimento acessível a todos e vem mostrando-se cada vez mais capaz de lidar não somente com livros, mas com informação de natureza diversa.

As oportunidades de trabalho no interior de Minas Gerais são muitas, em razão do número insuficiente de profissionais qualificados nessas regiões, além do crescente número de empresas e instituições de ensino instaladas em cidades com maior potencial de desenvolvimento.

O salário inicial de um profissional nas capitais brasileiras está em torno de R$ 2.200,00. Mas, em regiões interioranas, a remuneração pode oscilar de acordo com o desenvolvimento da região, indo de R$ 1.200,00 a R$ 3.500,00.Outra opção de trabalho são os inúmeros concursos públicos para bibliotecários em órgãos governamentais, em que o salário pode variar entre R$ 4.000 e R$ 8.000.

Novas frentes de trabalho têm surgido, como as redes de informação, empresas de tecnologia, indústrias, organizações do terceiro setor, consultorias e assessorias, escritórios de advocacia, educação à distância, organização de acervos particulares, desenvolvimento de pesquisa, normalização, gestão de serviços de informação, entre outras.

Fonte: Diário do Aço

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas. Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

3 Comments

  1. Wagner de Andrade Me
    Posted 29 de abril de 2016 at 22:16 | Permalink

    Estão colocando pedagogos, Profissionais de letras, artes, TODOS menos bibliotecários para trabalharem no seu respectivo local de trabalho…As bibliotecas.”LEI Nº 12.244 DE 24 DE MAIO DE 2010″. Ou seja desde 2010 essa Lei existe mas precisará de 10 anos para entrar em vigor? Até 2020 então veremos outros profissionais ocupando o lugar de Bibliotecários com Diploma? Isso é de fato desmotivador aos acadêmicos da área de biblioteconomia, infelizmente.

    • Arildo Vasconcelos
      Posted 15 de novembro de 2018 at 13:27 | Permalink

      Isso, concordo com você planamente pois um concursado fica afastado em determinado função, manda para cuidar das biblioteca, sendo que eles não são bibliotecários. De fato desmotiva mesmo, são a realidade e grande desafio para mudar essa realidade, o que acontece temos que mudar nossa velha mente pra outra perspectiva de mudanças. Sou Acadêmico de curso de Biblioteconomia no 5º período, percebei muitos debate em discussão em papel, na pratica não acontece mudanças.

  2. débora
    Posted 21 de setembro de 2016 at 14:48 | Permalink

    Esta questão precisa ser discutida de modo aberto, visível. Discute-se entre quatro paredes, nas salas de aula, em sites de compartilhamento de informação. Esta conversa precisa sair do escuro. temos que nos unir enquanto profissionais bibliotecários. Temos que deixar claro o nosso importante papel nas bibliotecas escolares. A discussão que temos na academia precisa sair dela e tomar os órgãos responsáveis pela colocação errada de outros profissionais no nosso lugar. É uma iniciativa que principalmente a associação de bibliotecários precisa tomar, e todos os bibliotecários em geral.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*