Empresário de MG guarda mais de 200 cartas de Drummond

Escritos entre 1925 e 1948, textos do acervo mostram o carinho do escritor pela família e trazem relatos políticos

Papéis, ainda legíveis, cheiram a naftalina (Foto: Eduardo Cicarelli/Divulgação)

Papéis, ainda legíveis, cheiram a naftalina (Foto: Eduardo Cicarelli/Divulgação)

Um empresário que mora na cidade de Lavras (MG) guarda um grande acervo de cartas de Carlos Drummond de Andrade. Eduardo Cicarelli conta que adquiriu o material, que contém fotos e correspondências escritas entre 1925 e 1948, de um parente de Drummond, há mais de 20 anos, durante uma visita ao Rio de Janeiro.

No acervo, há textos que evidenciam o carinho pelos pais e relatos políticos. Cicarelli afirma que, posteriormente, soube que a senhora que lhe vendeu as cartas seria a cunhada de Drummond, Ita, que herdou-as de Julieta Augusta, a mãe do poeta.

Ele diz não se lembrar de quanto pagou: “Na época, a moeda era o cruzeiro, e acho que dava para comprar um carro zero”. Uma avaliação feita este ano estipulou o valor em pelo menos R$ 21 mil.

O acervo contém mais de 200 correspondências, muitas destinadas à mãe. Muitos papéis têm o timbre do Ministério da Educação e Saúde, onde trabalhou por anos. Todos estão amarelados, e o cheiro de naftalina é constante, mas continuam legíveis. Neles, o poeta mineiro deixa claro o amor à mãe: “Não tenho lhe escrito ultimamente… Mas nem por isso eu esqueço da senhora e lhe consagro sempre um pensamento carinhoso”.

Drummond também fala de política, mas não é possível identificar se ele era ou não “Getulista”, o que acabaria com um debate que persiste até hoje entre os historiadores. Em uma das correspondências, cita um acidente de carro envolvendo o ex-presidente. “Tivemos um instante de grande preocupação com o desastre sofrido pelo presidente, mas, logo depois, felizmente, verificamos que o estado dele era bom”. Em outra, reclama que sua Itabira (MG) estivesse passando a se chamar “Getúlio Vargas” – medida que durou pouco tempo. “Um nome de duzentos anos, que guardamos com orgulho de pobres, mas que era para nós como um nome de pessoa querida, é bruscamente jogado fora, para uma homenagem desnecessária”. Depois, o poeta assinaria um manifesto contra a falta de liberdade no governo Vargas.

Cicarelli afirmou que pretende vender o material para uma biblioteca, universidade ou instituição que tivesse como estudá-lo e atender ao público.

Fonte: Rene Moreira – Especial para O Estado de S. Paulo

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentar

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*