Felipe, 9 anos, 18 livros em um bimestre: “Não resisto nem a rótulo de comida”

Nada de tablet; amante da leitura em papel, Felipe ganhou no ano passado o certificado de leitor ano da biblioteca da escola

Aos três anos de idade, Felipe já era apaixonada pelos livros (Foto: Arquivo pessoal)

Aos três anos de idade, Felipe já era apaixonada pelos livros (Foto: Arquivo pessoal)

O pequeno Felipe Ellero da Silva não se esquece do dia em que Claudia, sua mãe, lhe mostrou um livro e explicou: “As histórias todas que te conto estão aqui. Quando você começar a ler, vai poder fazer isso sozinho.”

Estava dada a autorização para que o menino, hoje com nove anos, se permitisse escolher o passeio favorito para os finais de semana: frequentar livrarias e bibliotecas. E não só a seção infantil. Leitor voraz desde os cinco anos, Felipe gosta de livros de arte, de música, biografias e o que mais lhe apetecer nos corredores.

Houve a época dos dinossauros, e então ele ganhou uma porção de enciclopédias sobre o assunto. Depois vieram os livros de mitologia. Nas aulas de música, quando começou a aprendeu sobre Luiz Gonzaga, ganhou uma sanfona antiga dos pais e aprender a tocar Asa Branca.

Felipe: "“Vou à biblioteca na hora do recreio e já começo ler o livro na fila, enquanto espero para fazer a retirada" (Foto: Arquivo pessoal)

Felipe: ““Vou à biblioteca na hora do recreio e já começo ler o livro na fila, enquanto espero para fazer a retirada” (Foto: Arquivo pessoal)

No ano passado, durante a Copa do Mundo, Felipe montou o álbum de figurinhas, como todos os amigos. Mas não parou por aí: ganhou dos pais um livro com os hinos de todos os países e um atlas para pesquisar as bandeiras. “Quando gosto de um tema, quero saber tudo sobre ele”, resume, com a frase curta e tímida típica da infância.

Tão tímido que responde apenas com um “ahã” quando a repórter pergunta se era mesmo verdade que ele ganhou, no fim do ano passado, o “certificado de leitor” da biblioteca do Colégio Santa Maria, onde cursa o 4º ano do fundamental. Neste ano, o certificado também deverá ir para sua coleção. Só no primeiro bimestre de 2015, Felipe emprestou 18 livros na biblioteca.

“Vou à biblioteca na hora do recreio e já começo ler o livro na fila, enquanto espero para fazer a retirada. Depois continuo no carro. Rapidinho termino”, conta ele, que também não resiste a um rótulo de alimento ou de xampu. “Quero ler tudo”

E não vale ser no tablet ou no computador. Felipe gosta mesmo é do cheiro do papel. E de colecionar. Tanto que algumas obras ele até libera para doação, mas os livros do coração devem ficar lá, para sua biblioteca da posteridade. E que ninguém ouse mexer. “Quando alguma criança mexe, digo logo que não pode.” Parece um adulto. Mas é uma criança. Uma criança apaixonada pelas letras. E por elas no papel.

Fonte: iG | Ocimara Balmant

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentar

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*