Inaugurado o primeiro museu de memes do Brasil

O projeto da Universidade Federal Fluminense é mais sério do que parece: catalogar e eternizar o humor virtual

Memes: há um artigo sobre cada um dos memes que já estão na base de dados (Museu de Memes/Reprodução)

Memes: há um artigo sobre cada um dos memes que já estão na base de dados (Museu de Memes/Reprodução)

A Universidade Federal Fluminense acaba de lançar o projeto acadêmico mais diferentão de 2017 (e quiçá da história recente): o Museu de Memes.

O acervo virtual lista clássicos instantâneos como John Travolta em Pulp Fiction, o forninho de Geovanna (sim, o nome dela é com “e”) e até o esquecido Harlem Shake.

Parece piada, mas não é.

Há um artigo sobre cada um dos memes que já estão na base de dados.

Gráficos com a curva de popularidade de cada viral são acompanhados de uma lista de aplicações e exemplos notáveis, curiosidades sobre as personagens envolvidas e até menções a órgãos públicos que tentaram entrar na brincadeira – e pagaram de tiozão.

Já acabou, Jéssica, ou você quer mais?

Além da lista em si, há entrevistas com administradores de páginas famosas e artigos em que se discute a viabilidade, o objetivo e a legitimidade de tocar o projeto.

Em uma análise sobre a eficácia de protestos virtuais como os vomitaços, pesquisadores discutem a internet como espaço público, e questionam se manifestações de corpo presente são mesmo mais eficientes que um belo flood nos comentários.

Em um papo com o Dinofauvo Fanho, você descobre muito sobre a fauna dinofáurica da web.

E há até um texto que responde a primeira pergunta que vem à cabeça de todo mundo: para que serve, afinal, uma coleção dessas?

O acervo, como a Wikipedia, é colaborativo e aceita “doações”, então é só escolher seu meme favorito e testar suas habilidade de enciclopedista do humor no século 21 – a grávida de Taubaté ainda não tinha um artigo até a publicação desta nota, quem se habilita?

Por trás do humor há bastante jargão acadêmico, e constatações sábias sobre a amnésia coletiva contemporânea e o meme como uma piada que depende de seu contexto – e não pode ser entendida fora dele.

Só tome cuidado: o site é magnético, armadilha para procrastinadores natos.

Este conteúdo foi publicado originalmente no site da Superinteressante.

Fonte: Exame | Bruno Vaiano

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*