Memorial: o valor do livro didático em tempos de crise

Associação oferece metodologia para controle e acesso dos livros do PNLD, FNDE/PNBE  e outros programas de distribuição de livros e materiais didáticos para Escolas Brasileiras

Acordei com nostalgia da minha infância, dos picolés e pirulitos. Das brincadeiras cheias de criatividade, dos meus primeiros dias de aula. O sempre uniforme limpo e muito bem passado, mesmos aqueles herdados da irmã, prima, ou vizinha mais próxima, e a pasta (kkkk… incrível… não existiam mochilas!) recheada de cadernos brochurão e de livros didáticos que foram fatalmente apagados durante as férias para serem reusados (tarefa obrigatória nas férias de verão).

Tudo era colorido, cheio de esperança por um novo ano, de crescer, ser adulto, ter profissão e realizar grandes mudanças na sociedade.

Mas, já na primeira quinzena do ano, lá estavam os professores, se desdobrando para conseguir realizar seu trabalho em uma turma dividida entre os que tinham e os que ainda não tinham o livro didático. Os sorrisos desconcertados começavam a aparecer nos rostos dos nossos grandes e eternos amigos.

E o mês passava e o problema até podia diminuir, mas não era solucionado, mesmo com a ginástica da professora em intermediar e buscar perante a escola toda quem pudesse ter aquele livro de anos anteriores.

Uma sensação de frustração acometia nossa alegria e ela era comum a todos, dos que tinham e dos que não tinham os livros. Começávamos a perceber o peso daquela lista que levamos para casa na matrícula. Como desejávamos que todos os tivessem e que nosso trem do aprender pudesse correr solto pelos trilhos do conhecimento.  Mas, de repente, já era maio mês das mães. Simbolicamente, lá estavam todos nós de livros em punho e a professora podia realizar seu trabalho.

Hoje, já adultos, onde muitos daqueles grandes e etenos amigos não fazem mais parte da nossa história, nos deparamos com uma sociedade que pouco foi mudada, mas, com certeza, houve uma grande conquista: crianças de ponta a ponta deste país não precisam apagar livros didáticos. Eles são um direito adquirido e igualitário por toda a educação básica, garantido pelo PNLD (Programa Nacional do Livro Didático).

Porém, infelizmente, da escassez à abundancia, temos, hoje, outros vilões: a mega logística de distribuição dos livros dentro das escolas e o desperdício.

Pensando nisso, a AGESIN (Associação de Gestão e Engenharia de Sistemas de Informação) demandou a construção do i10didático, sistema web desenvolvido em parceria com a Praxis Soluções para fazer a gestão exclusiva dos livros didáticos enviados pelo PNLD às escolas.

O i10didático é o único software construído exclusivamente para fazer esse controle nas escolas e vem trazendo resultados surpreendentes para a distribuição, gestão e circulação de todo este material entre os estudantes.

Os livros designados pelo MEC já vem pré-cadastrados no sistema conforme a divulgação do programa do PNLD. Basta encontrar o livro e informar quantos a escola recebeu que o i10didático faz o resto.

O sistema faz tudo isso sem esquecer seu compromisso com a sustentabilidade. O software controla situações de baixas e preservação física do livro e é facilmente operada pelos responsáveis pela distribuição dos materiais na escola.

O sistema sinaliza ao estudante em que estado ele pegou o livro e como ele pode cuidar melhor do material recebido para que o próximo colega receba um livro em bom estado de conservação. O sistema também possui um banco de permuta entre redes, relatórios estatísticos de circulação de material, status físico e ciclo de vida do material, entre outros.

Não perca tempo com rotinas cansativas e demoradas. Entre em contato com a AGESIN para conhecer melhor esta solução para o controle e visibilidade de sua escola em relação ao tratamento dado ao bem público livro.

i10didático, versatilidade e informatização na distribuição dos livros didáticos nas escolas brasileiras para um mundo melhor!

Para contatos e informações, ligue no (31) 3273-2861 ou acesse: www.i10didatico.com.br.

I10 DID+üTICO

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , , , , , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentar

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*