O bibliotecário e o mercado de trabalho

O atual formato da sociedade da informação permite que as áreas do conhecimento estejam ligadas pela interdisciplinaridade promovendo novas atividades e estruturas nas profissões. No mercado de trabalho, muitas atividades surgem, outras são remodeladas, existem ainda, aquelas que passam a ser desenvolvidas por outras profissões.

Dentro da área de biblioteconomia é notável, mesmo que, por meio de observações empíricas, que o universo de atuação de bibliotecário no mercado de trabalho ainda é desconhecido não apenas por estudantes da área, mas também pelos profissionais que não conseguem identificar suas habilidades e a capacidade de atuar no leque profissional existente para o bibliotecário.

Ao analisarmos a essência do trabalho bibliotecário é possível observar que nasceu junto com as primeiras bibliotecas organizadas pela nobreza e pelo clero sem nenhuma formação teórica ligada à biblioteconomia, diferente do que acontece hoje; o currículo de biblioteconomia é interdisciplinar, ou seja, abrange diversas áreas do conhecimento. Diante disso, é possível perceber a amplitude do espaço de atuação do bibliotecário que, infelizmente, tem sido dificultada tanto pelo desconhecimento dos próprios profissionais da área como pela sociedade.

Partindo do princípio de que o foco de atuação do bibliotecário é o tratamento e disseminação da informação, conclui-se que esse profissional pode atuar em qualquer instituição que tenha como insumo a informação, ainda mais, nos dias atuais onde a informação tem sido valorizada exigindo profissionais aptos e habilidosos para lidar com ela.

O mercado tradicional de biblioteconomia é formado por bibliotecas, centros culturais e arquivos. Existe, porém um mercado informacional ainda pouco ocupado pelos profissionais que inclui livrarias, editoras, provedores de internet, empresas privadas, bancos e bases de dados. Esse mercado é caracterizado pela sua imensidão e rápido crescimento, porém, todos que desejarem atuar nessa vertente devem desenvolver habilidades e buscar conhecimentos em outras áreas, tais como computação, comunicação, linguística entre outros. Independente da área de atuação do bibliotecário é fato que este deve desenvolver funções técnicas e administrativas conjuntamente e, por esse motivo, deve possuir conhecimentos do contexto geral utilizado em seu local de trabalho.

O mercado de trabalho está no ápice da competitividade. O fator humano é valorizado no processo produtivo ao transformar o conhecimento e a informação em capital, o bibliotecário possui base teórica para preencher essa lacuna, transformar as oportunidades em realidade é o maior desafio deste profissional.

Fonte: Cátia Cristina Souza (Bibliotecária CRB-8/7209)

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

4 Comments

  1. Márcia Souza Martins
    Posted 10 de março de 2015 at 3:07 | Permalink

    Olá Cátia, boa noite!

    Sou aluna do 2º período do curso de biblio. Tenho uma pergunta.
    O curso de biblioteconomia é abrangente, contudo o mercado exige deste profissional uma especificidade. Quais os caminhos possíveis para que eu posso ao longo do percurso da minha formação academica eu ir me descobrindo enquanto profissional? Pois existe uma amplitude muito grande no mercado, contudo este mercado só vai me valorizar enquanto profissional se eu mostrar competências. O que fazer então para me descobrir enquantro profissional digamos assim?

  2. Larissa
    Posted 16 de junho de 2016 at 14:51 | Permalink

    Olá
    Estou cursando o primeiro ano do curso de biblioteconomia. E uma professora nos propôs um trabalho sobre alguma área onde um bibliotecário pode trabalhar,sem ser o mais comum, em bibliotecas. Mas não tenho grande conhecimento sobre essa vasta área de trabalho, e não sei que área mais me interessa.Poderia me dar alguns exemplos.

    • admin
      Posted 16 de junho de 2016 at 16:05 | Permalink

      Prezada Larissa,

      as áreas em que um profissional pode atuar realmente são diversas: fundações, empresas de engenharia, emissoras de televisão, órgãos públicos, editoras, museus, arquivos, internet, gestão de documentos, gerenciamento de informações e de dados, digitalização, enfim… múltiplas possibilidades.

      Em nossa revista, já publicamos algumas matérias que abordam essas possibilidades. Acesse em http://blog.crb6.org.br/revista-crb-6-informa/.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*