Pesquisa da UFMG prevê se vídeo vai ‘bombar’ no YouTube

A janela da rede social “apita”. É o link para um vídeo novo que está rolando no YouTube. A imagem amadora mostra dois pequenos norte-americanos brincando: um deles morde o dedo do outro (que sofre) e cai na risada. Pronto. “Charlie bit my finger – again!” “bombou” e tornou-se um dos dez vídeos mais vistos do YouTube, com quase 580 milhões de acessos.

Na rede é assim. Talvez mais potente que transmissão virótica em ambientes fechados, o clique a clique impressiona. Milhões de pessoas acompanham diariamente o surgimento de novas gravações. Alguns vídeos acumulam milhões de views. Outros não chegam a fazer cócegas. Por quê?

“É o que buscamos entender. Sabemos que existem padrões de crescimento de popularidade e estamos tentando apreendê-los”, afirma a professora Jussara Almeida, orientadora do trabalho de doutorado do pesquisador Flavio Figueiredo, do Departamento de Ciência da Computação, do ICEx, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Flavio explica que alguns vídeos permitem deduzir uma alta visibilidade, graças ao seu conteúdo, que chama atenção por si só. É o caso de um clipe da Beyoncé ou uma novidade sobre os Beatles. A pesquisa, no entanto, vai além e foca o sucesso de produtos feitos por anônimos. O rapper sul-coreano Psy é um exemplo que ninguém conhecia, até que estourou. “É um típico caso que nos interessa para mensurar como ele alcançou tamanha audiência”, afirma ele.

Para criar um modelo capaz de prever a popularidade, a investigação científica reúne dados e análises sobre as variáveis envolvidas no percurso existente entre a criação do vídeo, a postagem e a chegada até os usuários. Cada uma delas tem sua influência avaliada, criando “curvas de visualizações” e padrões de uso . Atualmente, o projeto consegue fazer previsões, com uma margem de erro aceitável, com uma semana.

“O nosso objetivo é alcançar o melhor índice do que chamamos de ‘confiança útil’: a previsão mais breve, com o maior índice de confiabilidade possível. É algo que nenhum trabalho na área conseguiu fazer”, explica Figueiredo. Para isso, o estudo incorpora variáveis, como quem postou, onde (canais, blogs etc.), em qual categoria foi inserido, quem retuitou, entre outros.

Bolsa

Com a pesquisa já em andamento, no ano passado os cientistas submeteram o estudo às bolsas do Google e foram aceitos. A empresa não fez exigências de contrapartida logo após a finalização do projeto. “Mas, se houver interesse deles no nosso trabalho, ficaríamos felizes com o reconhecimento”, diz Jussara.

A pesquisadora explica que o estudo, que deve ser finalizado em 2014, poderá ser usado para diversas finalidades. A principal delas é no mercado publicitário. “As pessoas e empresas têm interesse em saber quais vídeos vão atrair mais a atenção dos usuários”, afirma.

Mineiro alcançou 1,1 mi de views

Para fazer sucesso, o vídeo tem que ser despretensioso, curto e, de preferência, amador. “Se quer coisa muito bonitinha, a pessoa vê filme, novela”, acredita o ator mineiro Lindsay Paulino, 30, criador da personagem Rose, a doméstica especializada no atendimento ao público homossexual que conquistou mais de 1,1 milhão de acessos no YouTube.

O ator mineiro Lindsay Paulino (Foto: Reprodução/O Tempo)

O ator mineiro Lindsay Paulino (Foto: Reprodução/O Tempo)

Para ele, embora existam casos de produção profissional que fazem sucesso, como o “Porta dos Fundos”, os vídeos espontâneos e feitos “em casa” tendem a vingar mais. “As pessoas não têm paciência de ver gravações longas”, acrescenta.

No caso de Rose, Paulino fez o vídeo para seus amigos assistirem, há três anos. E ele credita o sucesso ao público gay, que é “muito organizado e forte na internet”.

Teatro em BH. Rose foi criada para o teatro em 2005, e é inspirada nas mulheres da cidade do ator, Montes Claros, no Norte de Minas. No vídeo de maior sucesso, “Grelo”, gravado no apartamento do ator, Rose “canta” a relação entre ela e os patrões gays, em uma paródia à música “Halo”, de Beyoncé. Agora, “Rose, a doméstica do Brasil” será apresentada no teatro em novembro, nos dias 15, 16 e 17 (Teatro Alterosa), e nos dias 22, 23 e 24 (Teatro da Biblioteca). Sextas e sábados às 21h e domingos às 19h. (AR)

Mais vistos

Web. Em 2012, entre os vídeos mais vistos pelo YouTube no Brasil estavam Gangnam Style, do rapper Psy, e Para Nossa Alegria. O famoso “Charlie Bit My Finger” é um dos mais vistos no mundo.

Fonte: O Tempo | Anderson Rocha

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , , , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*