Quantas horas um bibliotecário pode trabalhar em uma escola?

Dúvida veio de um profissional registrado no CRB-6

O Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região (CRB-6) recebeu a seguinte pergunta: existe uma legislação para determinar qual o número mínimo de horas que os bibliotecários podem trabalhar em uma biblioteca escolar? Para não restar mais dúvidas, vamos à resposta.

(Foto: Freepik)

O documento Biblioteca escolar como espaço de produção do conhecimento: parâmetros para bibliotecas escolares, incluído na Resolução CFB nº 119/2011, elaborado pelo Grupo de Estudos de Bibliotecas Escolares (GEBE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), estabelece um padrão a ser seguido pelas instituições públicas e privadas de todo o país. Ele prevê que um mesmo profissional pode atender até cinco escolas, mas não determina um mínimo de horas em cada uma delas.

O CRB-6 orienta que a jornada de trabalho deve ser suficiente para realizar todas as atividades que competem a um bacharel em Biblioteconomia. Mas como definir isso? O Conselho solicita ao bibliotecário um plano de trabalho com as atividades a serem realizadas nas instituições em que atua, de modo a verificar se a demanda é atendida ou não. Vale lembrar que o profissional pode ser alvo de processo de natureza ética caso apenas assine pela biblioteca e não desempenhe o papel que lhe cabe.

Biblioteca é lugar de bibliotecário

O bibliotecário fiscal Lúcio Tannure (CRB-6/2266) lembra que apenas o profissional com curso de Biblioteconomia e registro em seu respectivo CRB pode atuar na área. Isso é determinado pela legislação: Leis Federais nº 4.084/62 e nº 9.674/98Decreto Lei nº 56.725/65 e Resolução CFB 033/01. “Portanto, todas as bibliotecas, sejam elas públicas, escolares ou universitárias, devem ser administradas por este profissional.”

Envie sua pergunta

Tem dúvidas sobre a profissão e não sabe para quem perguntar? Envie para a gente! Mande um e-mail para crb6@crb6.com.br que responderemos por lá ou até mesmo nos próximos boletins.

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: URL pra trackback.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*