UFMG cassa diploma de doutorado de professora por plágio

Decisão foi publicada nesta terça-feira no boletim oficial da instituição de ensino. Segundo a universidade, “restou provado neste processo, de forma inconteste, a existência do plágio”

Uma avaliadora do Ministério da Educação teve seu diploma de doutora, obtido na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), cassado pelo conselho da universidade federal mineira por plágio. O título de Scarlet Yone O’Hara, professora-associada na Universidade Federal do Pará (UFPA), foi obtido em 2004 e cassado na reunião do conselho no dia 13 de outubro. A aluna, segundo a UFMG, já foi notificada. A decisão da UFMG foi publicada nesta terça-feira no boletim oficial da instituição de ensino.

A tese plagiada tem o seguinte título: “A mitopoética marajoara na construção do imaginário amazônico”. A investigação foi aberta em setembro de 2010, baseada na denúncia feita pela autora do trabalho plagiado. Uma comissão de sindicância formada por professores da Faculdade de Letras investigou a denúncia e, em seguida, o caso passou pela análise da Congregação, Câmara de Pós-graduação da Faculdade de Letras e pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe).

“A materialidade é indiscutível. Após ampla e exauriente instrução, restou provado neste processo, de forma inconteste, a existência do plágio de que foi acusada Scarlet Yone O´Hara”, conclui o parecer da Comissão de Legislação que embasou a decisão do Conselho Universitário. A Comissão acrescenta que a própria autora da tese “não apresentou nenhuma justificativa excludente do ilícito de propriedade autoral por ela praticado. Pelo contrário, confessa expressamente a cópia realizada sem a citação da fonte.” No parecer, também é citado trecho da análise feita pela comissão de sindicância que concluiu pela existência de plágio, uma vez que o texto da tese inclui “várias passagens integralmente copiadas ou ligeiramente modificadas”, sem citação de fonte. De acordo com o parecer da Comissão de Legislação do Conselho Universitário, a medida se sustenta em “farto material probatório, está revestida de legitimidade e confere segurança à comunidade acadêmica para ratificar o veredito, pois, além de combater a fraude acadêmica, cumpre-se pedagógica no sentido de dar amplo conhecimento de que a improbidade intelectual é inadmissível no ambiente universitário e deve ser severamente repudiada.”

A reportagem tentou contato com a professora, mas a informação do departamento em que ela trabalha, na Universidade Fedaral do Pará (UFPA), é que Scarlet está em viagem avaliando universidades no Norte do país e não pode atender o telefone. Em texto publicado na plataforma do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Scarlet se apresenta como diretora de avaliação institucional na Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional, na UFPA, cargo que ocupa desde 2011. Desde 2007 é avaliadora do MEC. Scarlet tem 32 anos de experiência na área de comunicação social, com ênfase em propaganda e marketing, sendo 21 como professora.

Fonte: Estado de Minas | Daniel Camargos

This entry was posted in Artigos, matérias e entrevistas and tagged , , , . Bookmark the permalink. Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentar

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*