Comissão aprova regulamentação da profissão de técnico em biblioteconomia

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara Legislativa aprovou, no mês de outubro, o Projeto de Lei que regulamenta o exercício da atividade profissional de Técnico em Biblioteconomia.

Erika Kokay apresentou proposta que exige, além do diploma, que o profissional possua registro e esteja em dia com o Conselho Regional de Biblioteconomia de sua região (Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados)

Erika Kokay apresentou proposta que exige, além do diploma, que o profissional possua registro e esteja em dia com o Conselho Regional de Biblioteconomia de sua região (Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados)

O diploma necessário para exercer a atividade de técnico é o de nível médio, expedido por algumas instituições brasileiras, entre elas o Programa Nacional de Acesso ao Ensino técnico e emprego (PRONATEC). Além disso, é preciso que o técnico se registre e esteja em dia com o Conselho Regional de Biblioteconomia de sua região.

Para que o técnico possa efetivamente exercer sua função, é necessário que um bibliotecário coordene as atividades referentes à biblioteca. O Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região (CRB-6) publicou uma extensa matéria referente à discussão que girou em torno do projeto na segunda edição de 2014 de sua Revista.

Segundo Emilce Maria Diniz (CRB-6/1206), ex-vice-presidente do CRB-6, a nova lei está modificada de acordo com algumas sugestões propostas por uma equipe que analisou a PL. “A tramitação atual é condizente com a função do técnico em biblioteconomia. O texto antigo dava ao técnico as mesmas funções do bibliotecário, o que é impensável do ponto de vista profissional”, afirma. Por isso, é importante que não se confunda a figura do técnico em biblioteconomia com o bibliotecário responsável pela biblioteca. Emilce afirma que “a função de técnico é importante e eu sou a favor da proposta. Mas que fique clara a separação das funções de cada colaborador no ambiente bibliotecário”.

Browse the Boletim archive. Bookmark the permalink. Trackbacks are closed, but you can post a comment.

2 Comments

  1. Cláudia Grossi de F
    Posted 27 de outubro de 2015 at 8:45 | Permalink

    Que bom !
    A união faz a força. O auxiliar, com formação específica, em unidade de ensino, habilitada para ministrar o curso, é um colega capaz de apoiar o bibliotecário com qualidade diferenciada.
    Sucesso ! ! !

    • Débora Vaz
      Posted 29 de outubro de 2015 at 8:32 | Permalink

      Fala isso pq ganhou muito dinheiro ministrando um curso que não serve pra nada.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*