CRB-6 entrevista: Edmar Alves

Escritor independente já publicou cinco livros de poesia, um de contos e outro de crônicas

Continuando a série de entrevistas em comemoração à Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, esta semana conversamos com o escritor belo-horizontino Edmar “Totem” Alves .

Poeta desde a adolescência, Edmar Alves é professor de História, formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Seu primeiro livro, “O nome do ciclo, o ciclo do nome”, uma produção artesanal vendida pelo próprio autor, completa 30 anos de lançamento em 2016. Confira a entrevista:

Edmar Alves lançou seu primeiro livro há exatos 30 anos (Foto: Marília Paiva)

Edmar Alves lançou seu primeiro livro há exatos 30 anos (Foto: Marília Paiva)

O que lhe motivou a escrever? O que mais lhe atrai quando escreve: o mundo real ou o imaginário?

Nem sei bem, pois escrevo desde sempre. Talvez a necessidade de registrar a vida, uma vez que tento com a escrita impedir que as coisas virem passado. O mundo real me interessa tanto que acho que o transformo em mundo imaginário.

Dos livros que você leu, que figura literária mais o marcou? Algum autor serviu como inspiração?

Nenhum em especial ou que me lembre agora. Mas, certamente, o que mais me inspirou (e inspira) foi ler poesia concreta. Os irmãos Haroldo e Augusto Campos e Décio Pignatari, além de João Cabral de Melo Neto e Ferreira Gullar.

Qual a importância do bibliotecário e da biblioteca para a formação do cidadão? Você frequenta esses espaços? Recorda de algum bibliotecário que contribuiu para o seu gosto pela leitura?

Sempre estudei em escola pública, onde nunca existiu bibliotecário. Por isso, não há nenhum que tenha ficado em minha mente. A biblioteca municipal de Contagem nunca foi minha referência, além de estar situada muito distante da minha casa. As bibliotecas escolares, apesar de pouco atraentes, é que me abasteciam de leitura. O me mais me marcou é o fato de sempre ter tido liberdade para comprar livros – hábito que ainda mantenho.

Sobre a importância do bibliotecário, acredito que este profissional é fundamental! Ao assumir a diretoria da escola em que trabalho atualmente, minha primeira medida foi reinaugurar a biblioteca – cujo projeto era de minha esposa e bibliotecária Marília Paiva –, que estava desativada fazia 10 anos e hoje é frequentada por toda a escola. Não temos bibliotecário lá, mas temos funcionários muito dedicados a manter viva essa biblioteca.

Frequento bibliotecas onde quer que eu vá. E acredito que é um espaço privilegiado de formação de cidadãos livres e conscientes, por oferecer leituras e mediação dessas leituras.

As redes sociais e a internet podem contribuir para o incentivo à leitura?

Sim, contribuem. Não para a leitura em si, pois são quase sempre superficiais e rápidas, mas para levar as pessoas aos livros.

No próximo Boletim Eletrônico, nossa entrevistada será uma autora da capital mineira. Aguarde…

Browse the Boletim archive. Bookmark the permalink. Trackbacks are closed, but you can post a comment.

Comentar

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*