Presidente do CFB responde deputado Jair Bolsonaro

O representante do Conselho defende classe perante argumento do deputado

Durante sessão plenária na Câmara dos Deputados, realizada no dia 22 de março, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) disse que “o ignorante tem que dar risada mesmo, porque se ele for a uma biblioteca vai ser torturado, porque biblioteca é lugar de ignorante ser torturado”.

A frase foi dita em uma discussão com os parlamentares Carlos Zaratini (PT-SP) e Silvio Costa (PTdoB-PE), ocasionada pelo pronunciamento de Costa em defesa do mandato da presidente Dilma Rousseff.

Representando a classe o presidente do CFB, Raimundo Lima, responde deputado (Foto: Divulgação)

Representando a classe o presidente do CFB, Raimundo Lima, responde deputado (Foto: Divulgação)

O presidente do Conselho Federal de Biblioteconomia, Raimundo Martins de Lima (CRB-11/039), publicou no ofício nº 081/2016, uma carta aberta em resposta ao deputado. Na qual afirma que a fala do deputado foi despropositada porque o seu conteúdo traduz uma representação equivocada sobre os aspectos filosóficos e práticos da existência e atuação das bibliotecas. Clique aqui para ler a carta na íntegra.

Browse the Boletim archive. Bookmark the permalink. Trackbacks are closed, but you can post a comment.

2 Comments

  1. Posted 26 de abril de 2016 at 13:30 | Permalink

    Felizmente sou bibliotecário e sei filtrar informações. Ponto forte diferencial da nossa formação. Acompanhei a fala de Bolsonaro e, pessoalmente, não vi motivos para tal. Quando se referiu ao parlamentar dizendo para procurar uma biblioteca, o mesmo se referiu à ignorância frente as questões históricas que estavam registradas nos livros da Biblioteca do Senado, dizendo que lá encontraria o conhecimento necessário para não se basear em suposições pessoais equivocadas. Faz-se importante averiguar os fatos antes de tomar partido e passar vergonha. Segue o vídeo contextualizado na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=tAhybvGz1u8. Sejam bibliotecários de verdade e pesquisem porque a informação atualmente está acessível. Vamos dar exemplo! PS.: Não votaria nem no Bolsonaro ou no filho.

  2. Ricardo Girelli
    Posted 29 de abril de 2016 at 8:20 | Permalink

    Infelizmente, o comentário de 26 de abril aparece como anônimo… Devemos refletir o porquê. Entretanto, está correta a análise do acontecimento. Fato é que o deputado Bolsonaro referiu-se à biblioteca como um local aonde podemos acabar com a nossa ignorância sobre certos (des) conhecimentos…
    Em nosso grupo de rede social, critiquei a postura do CFB em responder ao deputado Bolsonaro por que no meu entender, vejo um viés politico de esquerda no ato.
    Comparei a importância da fala do deputado com a postura do nosso Secretário Estadual de Educação (Sr Haroldo Rocha) em dizer publicamente que o Estado do Espírito Santo não tem interesse em contar com os bibliotecários nas escolas estaduais. Lembrando que não há concursos para bibliotecários para as escolas ha mais de três décadas. Então me pergunto o que é mais impostante, escrever carta ao deputado Bolsonaro ou responder publicamente ao Secretário de Educação Capixaba? Ou quiça, o próprio governador Paulo Hartung.
    Não é estranho pensar que houve um viés politico do CFB no caso, levando-se em conta a aproximação do Conselho com a deputada Erika Kokay (PT) que sabidamente tem no deputado Bolsonaro um desafeto na Câmara dos Deputados.

Post a Comment

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*