Três não é demais

Bibliotecária possui desafios diferentes em cada um de seus empregos

Responsável pelas bibliotecas de três instituições de ensino, Águida Heloiza Almeida de Paula (CRB-6/2191) precisa se desdobrar para lidar com a rotina diária. Pela manhã, ela coordena a biblioteca do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). À tarde, reveza entre duas escolas particulares da região, nas quais foi contratada após a atuação do Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região (CRB-6). “Não posso reclamar, eu adoro o que faço”, conta.

Bibliotecária vive rotina intensa em Juiz de Fora (Foto: Arquivo pessoal)

O trabalho na UFJF, onde já está há cinco anos, é o que mais exige da bibliotecária. De segunda a sexta-feira, é responsável por toda a parte administrativa e técnica, que engloba desde o treinamento dos usuários até a catalogação das obras. Além disso, também presta atendimento aos alunos de graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado, aos quais auxilia na normalização de trabalhos acadêmicos.

Nas escolas particulares, a rotina é bem diferente. Em uma delas, Águida atua como gestora. “A biblioteca recebe poucas visitas, então realizamos um trabalho mais voltado para a pesquisa e orientação dos alunos”, diz. Os atendimentos do dia a dia ficam por conta de dois auxiliares de biblioteca, que também ajudam na manutenção do espaço.

Já a biblioteca da outra escola foi projetada para ser um espaço de exploração e possui salas que podem ser usadas nas mais diversas atividades pedagógicas. Para isso, Águida conta com o suporte da professora Magda Trece, que contribui com ações voltadas para os estudantes, como projetos literários e contações de histórias. À bibliotecária cabe toda a parte de gestão. “É uma parceria perfeita. A biblioteca é muito movimentada e exige bastante de nós, desde o contato intenso com o público até o gerenciamento do acervo.”

Para dar conta de três atividades tão diversas, ela se dedica das 7h às 18h. “Tem que ter muito jogo de cintura. Às vezes é impossível não carregar os problemas de um trabalho para o outro, mas, sempre que posso, tento me desligar.” Apesar disso, Águida considera que a presença de um bibliotecário é essencial para a boa gestão desses espaços. “A biblioteca é o coração da escola. Ter um profissional que entende a parte técnica é muito importante para que as atividades andem.”

Conheça outras histórias

Ao longo do ano, o CRB-6 já publicou diversas matérias para contar a história de profissionais contratados após as fiscalizações do Conselho. Leia os relatos já publicados:

Ana Paula Meira (CRB-6/2768)

Ângela Aparecida Ribeiro (CRB-6/3395)

Camila Canto Garcia Netto (CRB-6/3365)

Célia Barbosa

Cristina Maria Viana Camilo de Oliveira (CRB-6/1819)

Fernanda Samla Souza Costa (CRB-6/3289)

Gabriela de Oliveira Gobbi (CRB-6/ES 825)

Humberto Damião de Souza (CRB-6/ES 850)

Kauara Katrine Faria Silva (CRB-6/3193)

Luiz André Orbez Schubsky (CRB-6/3343)

Márcia Aparecida Cecílio (CRB-6/1660)

Marcos Roberto da Silva (CRB-6/2655)

Michelle de Paula Machado Venuto (CRB-6/2518)

Nádia Lages de Medeiro Alves (CRB-6/2089)

Nádia Santos Barbosa (CRB-6/3178/P)

Rafaela de Paula Amaral de Souza (CRB-6/2300)

Simone Alves Diamantino  (CRB-6/2184)

Browse the Boletim archive. Bookmark the permalink. Trackbacks are closed, but you can post a comment.

Comentar

Your email is never published nor shared. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*
*