Biblioteca de Santa Luzia vai às empresas para formar leitores

Bibliotecária Kadidja de Aguiar e Sá

Bibliotecária Kadidja de Aguiar e Sá

A coordenação da Biblioteca Henriqueta Lisboa – Liceu de Artes, Cultura e Lazer (Laces), localizada em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, vem desenvolvendo ações para se aproximar da comunidade em que está inserida. E, para isso, criou projetos que uniam o centro de informação às empresas e escolas da cidade. Com o projeto “Caravana da Leitura – Empresas e Escola”, a instituição disponibiliza livros de temáticas diversas em empresas do comércio e escolas do município. E de maneira bem criativa: em caixas personalizadas. Os livros, que fazem parte do acervo da biblioteca, permanecem nas instituições por dois meses.

Segundo a bibliotecária e analista de projetos Kadidja de Aguiar e Sá (CRB-6/2970), os projetos fazem parte das ações do Programa de Comprometimento e Gratuidade do Serviço Social do Comércio de Minas Gerais (Sesc Minas). “Ambos os projetos são recebidos pelo público com muita satisfação, por envolverem a educação e a cultura de qualidade, atendendo públicos de todas as faixas etárias e de maneira gratuita”, afirma.

Exemplar do projeto Caravana da Leitura - Empresas

Exemplar do projeto Caravana da Leitura - Empresas

Em junho próximo mais um plano sairá do papel. O projeto “Descobrindo Escritores Mineiros”, como o nome indica, visa promover as obras literárias de escritores mineiros. Mas o centro de informação busca sair da mera apresentação dos autores e visa dialogar com o público de maneira diversa.

Assim, o trabalho foi estruturado em workshops, nos quais diversos recortes das obras desses autores irão dialogar com outras linguagens como, por exemplo, artes plásticas, dança, música e teatro. A primeira homenageada será a escritora e poetisa que dá nome à biblioteca, Henriqueta Lisboa. “Este projeto busca realizar o trabalho numa perspectiva semiótica, considerando, portanto, que todos os nossos fazeres estão permeados por uma pluralidade de linguagens”, afirma Kadidja.

Browse the Boletim archive. Area: . Bookmark the permalink. Trackbacks are closed, but you can post a comment.

3 Comments